PETAR

Sobre o Parque

O Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR), criado em 1958, aparece como um dos mais antigos do Estado de São Paulo. Possui 35.772,5 hectares e abrange os municípios de Iporanga e Apiaí. O Parque tem sua área coberta pela densa e exuberante vegetação da Mata Atlântica e integra a Zona Núcleo da Reserva da Biosfera. Considerado como Sítio do Patrimônio Natural da Humanidade, pois reúne uma das áreas de Mata Atlântica mais preservada do Brasil.

O PETAR faz parte do Mosaico de Unidades de Conservação do Paranapiacaba, composto ainda pelo Parque Estadual Intervales, Parque Estadual Carlos Botelho, Parque Estadual Nascentes do Paranapanema, Estação Ecológica Xitué e Área de Proteção Ambiental Estadual da Serra do Mar.

Devido ao alto nível de preservação da região, o PETAR abriga espécies da Mata Atlântica típicas de matas primárias (vegetação com alto grau de preservação, quase sem intervenção humana, com árvores entre 25 e 30 metros de altura), como canela, cedro e palmito juçara. Esta última, considerada espécie-chave na cadeia alimentar do bioma, sofre ameaça de extinção devido à extração e comercialização ilegal.

Resultante ainda da continuidade ecológica, o PETAR apresenta espécies de animais de amplo território, como a onça-pintada e o monocarvoeiro. De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN), o PETAR protege um dos cinco ecossistemas mais importantes do mundo.

O Parque ainda abrange uma das províncias espeleológicas mais importantes do Brasil, com mais de 300 cavernas cadastradas pela Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE). A formação das cavernas na região ocorre a partir das águas pluviais saturadas de ácido carbônico, provenientes dos solos ricos e férteis da mata preservada, que penetram nas fissuras rochosas e desgastam o calcário presente no solo da região, abrindo dutos e galerias, e assim originando as cavidades naturais, as cavernas calcárias.

Visitação nas cavernas:

O valor do ingresso é R$ 15,00

Isentos de pagamento: Menores de 12 e maiores de 60 anos de idade; Pessoas com necessidades especiais ou mobilidade reduzida; Moradores do entorno mediante apresentação de comprovante de residência e outras pessoas autorizadas pela administração do Parque e ou Diretoria Adjunta

Fica instituída meia entrada para: estudantes legalmente identificados.

Caverna Santana

Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo das 9h às 15h.

Grupos de 8 pessoas + 1 monitor com intervalo de 30 minutos entre grupos

Endereço: Núcleo Santana - Rodovia SP-165

Caverna Morro Preto

Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo das 8h às 16h.

Grupos de 8 pessoas + 1 monitor com intervalo de 20 minutos entre grupos

Endereço: Núcleo Santana - Rodovia SP-165

Caverna Couto

Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo das 8h às 16h.

Grupos de 8 pessoas + 1 monitor com intervalo de 20 minutos entre grupos

Endereço: Núcleo Santana - Rodovia SP-165

Caverna Água Suja

Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo das 8h às 15h.

Grupos de 8 pessoas + 1 monitor com intervalo de 20 minutos entre grupos

Endereço: Núcleo Santana - Rodovia SP-165

Caverna Cafezal

Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo das 8h às 12h.

Grupos de 8 pessoas + 1 monitor com intervalo de 20 minutos entre grupos

Endereço: Núcleo Santana - Rodovia SP-165

Caverna Ouro Grosso

Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo das 8h às 16h.

Grupos de 8 pessoas + 1 monitor com intervalo de 30 minutos entre grupos

Endereço: Núcleo Ouro Grosso - Rodovia SP-165

Caverna Alambari de Baixo

Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo das 8h às 15h20.

Grupos de 8 pessoas + 1 monitor com intervalo de 20 minutos entre grupos

Endereço: Núcleo Ouro Grosso - Rodovia SP-165

Trilha do Chapéu (Cavernas Mirim I, II, Aranhas e Gruta do Chapéu)

Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo das 8h às 16h.

Grupos de 8 pessoas + 1 monitor com intervalo de 20 minutos entre grupos

Endereço: Núcleo Caboclos - Rodovia SP-250, Estrada do Espírito Santo

Caverna Temimina

Dias e horário de funcionamento: de terça-feira a domingo das 7h às 10h.

Grupos de 6 pessoas + 1 monitor com intervalo de 30 minutos entre grupos

Endereço: Núcleo Caboclos - Rodovia SP-250, Estrada do Espírito Santo

TRILHA DO BETARI NO PETAR

Trilha do Betari
no Parque Estadual Turístico do Alto do Ribeira - Petar

TRILHA DO BETARI NO PETAR
TRILHA DO BETARI NO PETAR

Ficha Técnica

Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira-Petar
Localização: Municípios de Apiaí e Iporanga
Endereço: Av. Isidoro Alpheu Santiago, 364
Distância: Apíaí 325 km de São Paulo; Iporanga 303 km
Distância Apiaí/Parque: 24 km
Distância Iporanga/Parque: 17 km
Acesso: (Apiaí) Rod. Castelo Branco (SP 280)/trevo de Tatuí (km 129)/Rod. SP127/Capão Bonito/Rod. SP 250/Apiaí/posto da Polícia Ambiental
Acesso: (Iporanga) Rod. Régis Bittencourt (BR-116)/ Jacupiranga (SP 193 Jacupiranga-Eldorado)/SP-165
Extensão: 7,2 km (ida e volta)
Perfil altitudinal: 260m → 385m
Percurso: 4 horas
Piso da Trilha: terra, pedregoso, calçado de pedras, cascalho e areia, travessia de rio
Características ambientais: Floresta atlântica de planalto.
Trilha: monitorada
Atrativos da trilha: Cavernas da Água Suja e Cafezal, Rios Betarizinho e Passa Vinte (formadores do Betari), Cachoeiras das Andorinhas e Betarizinho (Beija-flor).
Horário da trilha: das 08h00 às 13h00
Horário da Unidade: das 08h00 às 17h00
Limitação de usuário: 200 pessoas por dia

Município: Apiaí e Iporanga
Endereço: SP 165, 16 km de Iporanga à Apiaí
Acesso 1: Apiaí - Rod. Castelo Branco/trevo de Tatuí/ Rod. 127/Capão Bonito/ Rod. SP 250/Apiaí/posto da Polícia Ambiental
Acesso 2: Iporanga - Rod. Régis Bittencourt/Jacupiranga (SP-193)/ Jacupiranga - Eldorado (SP-165)


A Trilha do Betari é especial para as pessoas que gostam de belas paisagens com cavernas, rios e cachoeiras. Seus visitantes desta podem apreciar as cavernas de Água Suja e do Cafezal e a formação do rio Betari, que nomeia a trilha e é resultado pelos rios Betarizinho e Passa Vinte.

Ótima para fazer fotos da fauna e flora da região, a trilha é considerada nível médio de dificuldade, com poucas subidas e algumas travessas por cursos d'água. Na região é possível avistar bandos de bugios, pacas, lontras e muitas aves.

O trajeto de 7,2 quilômetros (ida e volta) e quatro horas de duração é feito pela mata ciliar que protege o rio Betari, cruzando o rio em alguns pontos e passando em frente às bocas das cavernas. A trilha termina nas cachoeiras das Andorinhas e Beija-flor, onde é permitido o banho.